fbpx

Seja bem-vindo

O novo site Santos&Santana 2017 está no ar.

Artigos e Publicações

O Farming da Fazenda Nacional

Em videogames o termo Farming designa o ato de, tendo condições de passar para etapas mais difíceis, permanecer repetindo tarefas previsíveis com o intuito de acumular itens, dinheiro ou experiência, sem precisar enfrentar desafios ou situações novas. Farming deu origem ao anglicismo “Farmar”/”Farmando”, mas que poderia ser traduzido no Brasil como “Fazendando”, sendo notoriamente aplicável Fazenda Pública Brasileira.

Em setembro, a Receita Federal respondeu à Consulta de nº 446, a respeito do cálculo de imposto de importação sobre jogos eletrônicos. A Consulente questionou se se aplicaria, com base no art. 81 do Decreto Nº 6.759/2009, dispositivo que estatui que apenas o custo do suporte físico dos dados será considerado para fins de valor aduaneiro.

A Receita, como de se esperar, respondeu que jogos de videogame não se beneficiariam de tal tratamento tributário. Sustentou que à época da edição da norma os jogos de videogames utilizavam cartuchos como suporte de dados, tendo esse suporte sido excluído do tratamento benéfico, o que demonstraria a intenção do legislador. Tal entendimento, entretanto, é uma distorção do texto da lei e tem compromisso apenas com a arrecadação, ignorando o atual Estado da Arte da indústria, do mercado e do Direito.

O Direito Tributário é um ramo do direito no qual, ao Estado, aquilo que não é permitido é proibido. A norma tributária é uma autorização para o Estado interferir no patrimônio dos particulares, devendo ser interpretada restritivamente. Por isso, a interpretação da lei por analogia não pode acarretar na exigência de tributo não previsto em Lei, além de se interpretar literalmente as isenções.

No caso, o decreto afirma, literalmente, que “o valor aduaneiro de suporte físico que contenha dados ou instruções para equipamento de processamento de dados será determinado considerando unicamente o custo ou valor do suporte propriamente dito” e qualquer um que tenha acesso aos produtos percebe que softwares de jogos e quaisquer outros obedecem ao mesmo funcionamento: são programas que ao receber informações do usuário realizam uma certa tarefa. A Lei não discrimina o objeto final de tais funções (se lazer, pesquisa, estudo ou trabalho) e a Receita não deveria discriminar igualmente.

Tanto é possível falar-se em equivalência de produtos que não escapa a ninguém que, atualmente, a grande maioria dos jogos é lançada em múltiplas plataformas (Consoles e Computadores). Pretender justificar o tratamento diferenciado entre os softwares com base no aparelho ao qual se destinam permitiria que o mesmo jogo sofresse tratamento tributário diferente se fosse destinado ao PC ou a um console.

Por outro lado, até mesmo o tratamento diferenciado aos aparelhos é questionável. Diversas entidades (dentre elas o Exército Norte Americano) já utilizaram videogames como unidades estáveis de processamento de dados[1] e alguns programadores rodam jogos em ambientes como dos programas Microsoft Excel ou em navegadores de internet. Completando a inviabilidade de se criar distinção entre os produtos, vários estúdios de videogame disponibilizam em seus jogos ferramentas de edição de softwares que permitem que os jogadores criem conteúdos e os disponibilizem gratuita ou onerosamente. A Bethesda atualmente mantém o Creation Club em Skyrim e Fallout 4, mas muito antes Bioware disponibilizou a engine de Neverwinter Nights para criação de módulos e servidores de jogos.

Mudar a interpretação das normas para justificar a intromissão estatal no consumo dos particulares ofende a segurança jurídica. A Fazenda Pública precisa obedecer ao princípio da Anterioridade para criar ou majorar impostos, sendo essa uma garantia individual protegida por cláusula pétrea. Permitir que a Receita interprete extensivamente “o espírito da lei” para cobrar imposto com cálculo distinto do que a lei permite causa notória insegurança jurídica. É notório, ainda, que a preocupação é com a arrecadação: para softwares de jogos, a mudança no suporte físico não modifica a base de cálculo do imposto, mas para livros, a mudança do suporte físico modificava a imunidade tributária até o Supremo Tribunal Federal pacificar a questão.

O Lazer não pode ser considerado um bem menor, que recebe tratamento tributário mais oneroso. Isso seria incoerente para com as próprias políticas nacionais que outorgam benefícios fiscais a empresas que atuam ou colaboram neste mercado. O Legislador não dá menos imunidade tributária para os livros de lazer que para os livros técnicos ou profissionais, assim como o Fisco não pode fazê-lo. Da mesma forma, o Legislador não distingue softwares de lazer de softwares profissionais ou técnicos, e o Fisco não pode, igualmente, fazê-lo.

A fronteira entre o lazer e a produção se tornou extremamente tênue nos últimos anos. A pretensão da Receita em tributar de forma distinta os softwares de jogos não encontra qualquer justificativa que não o desejo de continuar tributando como há duas décadas sem se adequar à nova realidade. Os jogadores já entenderam que “farmar” é uma prática preguiçosa e covarde pois tira do jogo o desafio de enfrentar novas situações. A Fazenda deveria fazer o mesmo.

Paulo T. Vasconcellos é sócio do Santos e Santana Advogados

Fonte: JOTA, 18/10/2017

Link: https://goo.gl/4L1sGP

Penhora de bem de família de fiador em contrato de locação comercial

Ler artigo completo

As soluções alternativas de conflito no âmbito do Direito do Consumidor

Ler artigo completo

STJ define que rol do agravo de instrumento (art.1.015 do CPC) tem taxatividade mitigada – Análise da decisão e suas implicações práticas na área empresarial

Ler artigo completo

Novas regras para sociedades limitadas

Ler artigo completo

EBook – Entraves à Exportação

Ler artigo completo

Bruna Siciliani é a nova head da área Trabalhista

Ler artigo completo

A revolução tecnológica e as relações de consumo

Ler artigo completo

Roberta Azeredo é a nova Head na área societária do Santos & Santana

Ler artigo completo

Sócio do S&S é convidado a integrar Conselho da Fecomércio SP

Ler artigo completo

Crise e oportunidades: o Brasil pode lucrar com as barreiras do aço e alumínio

Ler artigo completo

Sofia Rezende é a nova Head da área de Relações de Consumo do escritório

Ler artigo completo

Ganhos com exclusão do ICMS/Cofins reforça caixa das empresas

Ler artigo completo

A amenização do controle dos atos administrativos

Ler artigo completo

Corrupção e representatividade

Ler artigo completo

Legalização do desconto para compras à vista

Ler artigo completo

Limpeza de normas do comércio exterior

Ler artigo completo

A ausência ou irregularidade na aprovação de contas: qual o verdadeiro prejuízo?

Ler artigo completo

O conjunto de normas e a segurança jurídica no mercado de drones

Ler artigo completo