fbpx

Seja bem-vindo

O novo site Santos&Santana 2017 está no ar.

Artigos e Publicações

Ganhos com exclusão do ICMS/Cofins reforça caixa das empresas

Fonte: Portal SEGS, dia 16/8/2018. Link

Por meio de repercussão geral, o Supremo Tribunal Federal definiu que o ICMS não compõe a base de cálculo do PIS e da Cofins. Esse julgamento implica em reconhecer que os valores relativos ao ICMS destacados nas notas fiscais não integram o conceito de faturamento das empresas. A decisão, portanto, beneficia no longo prazo os investimentos por parte da iniciativa privada e a futura geração de empregos no país.

Contudo, não se trata de uma decisão definitiva, tendo em vista que Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN), que representa os interesses arrecadatórios da União, atacou a decisão por meio de embargos de declaração, que aguardam julgamento por parte do Supremo.

Com o julgamento dos embargos é possível a corte modular os efeitos da decisão, ou seja, disciplinar de que forma e a partir de quando essa exclusão será feita, bem como a forma que o contribuinte terá para receber de volta os valores pagos indevidamente.

Ocorre que, a partir da decisão do STF, diversos tribunais passaram a adotar o mesmo entendimento. É caso, por exemplo, do TRF da 3ª Região, que abrange as empresas no estado de São Paulo. Também o Superior Tribunal de Justiça (STJ) já finalizou processos com decisões favoráveis à exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS e da Cofins, mesmo sem esperar pelo julgamento de embargos de declaração da União no STF.

Com o trânsito em julgado desses embargos, a PGFN não pode mais recorrer das decisões.

De acordo com Vinícius Moura Dutenkefer, advogado escritório Santos & Santana, existe a possibilidade das empresas recuperarem os valores pagos indevidamente nos últimos 5 anos em decorrência da inclusão do ICMS e/ou do ISS na base de cálculo do PIS, da COFINS, do Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ) e da Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido (CSLL). “Além disso, é possível o expurgo dos pagamentos a serem realizados. Ambas as possibilidades têm como base decisões definitivas proferidas pelo STF”, comenta o especialista.

Estima-se que o governo vai deixar de arrecadar cerca de R$ 20 bilhões anuais com essa exclusão, sem contar os cerca R$ 250 bilhões de pedidos de restituição ou compensação das empresas, que ainda podem ser recuperados através de ações judiciais. Ou seja, o impacto na empresa é relevante e pode chegar a milhões de reais, dependendo do faturamento.

Por fim, Dutenkefer acrescenta que para a classe empresária, o mais prudente seria aguardar o julgamento dos embargos no Supremo. A partir desse julgamento o contribuinte teria segurança jurídica para buscar, por meio de ações judiciais, o recebimento dos valores pagos indevidamente. “As empresas também podem optar pela venda desse crédito a terceiros e incrementar seus ganhos que, destaca-se, serão tributados”, finaliza o especialista.

Medidas atípicas na execução de quantia e o Contempt of Court: da efetividade e dos limites na sua aplicação

Ler artigo completo

Santos & Santana participa do 4° Simpósio Nacional de Varejo e Shopping

Ler artigo completo

Penhora de bem de família de fiador em contrato de locação comercial

Ler artigo completo

As soluções alternativas de conflito no âmbito do Direito do Consumidor

Ler artigo completo

STJ define que rol do agravo de instrumento (art.1.015 do CPC) tem taxatividade mitigada – Análise da decisão e suas implicações práticas na área empresarial

Ler artigo completo

Novas regras para sociedades limitadas

Ler artigo completo

EBook – Entraves à Exportação

Ler artigo completo

Bruna Siciliani é a nova head da área Trabalhista

Ler artigo completo

A revolução tecnológica e as relações de consumo

Ler artigo completo

Roberta Azeredo é a nova Head na área societária do Santos & Santana

Ler artigo completo

Sócio do S&S é convidado a integrar Conselho da Fecomércio SP

Ler artigo completo

Crise e oportunidades: o Brasil pode lucrar com as barreiras do aço e alumínio

Ler artigo completo

Sofia Rezende é a nova Head da área de Relações de Consumo do escritório

Ler artigo completo

Ganhos com exclusão do ICMS/Cofins reforça caixa das empresas

Ler artigo completo

A amenização do controle dos atos administrativos

Ler artigo completo

Corrupção e representatividade

Ler artigo completo

Legalização do desconto para compras à vista

Ler artigo completo

Limpeza de normas do comércio exterior

Ler artigo completo